Economia Compartilhada
Economia Compartilhada e Marketing Digital

11 fev Sua empresa está preparada para a Economia Compartilhada?

A Economia Compartilhada já é uma realidade!

E nós, consumidores, pela simples atitude de compartilharmos nossos lares, carros e até bicicletas, estamos reinventando mercados e colocando a indústria para pensar em novas estratégias para não perder seus clientes, não para a concorrência, mas para outros clientes.

Você pode até não saber a definição da Economia Compartilhada, mas certamente já participou dela de alguma forma.

Por exemplo, se você já descolou uma carona nos grupos do Facebook, você movimentou essa nova e sustentável economia.

A economia compartilhada é basicamente isso: pessoas trocam serviços entre si, sem intermédio das empresas, por preços mais baixos e, às vezes, oferecendo até mais qualidade. Através de sites, redes sociais, comunidades, blogs e aplicativos, as pessoas estão compartilhando diversos serviços, produtos e até bens, como carros, apartamentos e casas.
No Airbnb, por exemplo, milhares de usuários oferecem hospedagem e até moradia temporária para pessoas do mundo todo, por um preço bem mais em conta e uma recepção, digamos, bem caseira.

No site, já estão registrados mais de 800 mil espaços em 190 países, enquanto o Intercontinental, uma das maiores redes hoteleiras do mundo, possui cerca de 693 mil quartos em 100 países.

O que faz essa economia funcionar é a acessibilidade, a fácil negociação e a confiança entre as pessoas.

Mas como confiar em alguém que você nunca viu na vida para receber em casa ou para pegar uma carona até outra cidade?

Bem, a credibilidade dos serviços vem das recomendações.

Se um usuário oferece uma estadia, por exemplo, o “cliente” deve classificar o prestador de serviço no site, grupo ou aplicativo, para que novos consumidores saibam da experiência, pois, o boca a boca ainda é a melhor propaganda.

Voltando ao grupo de caronas: quantas pessoas não estão trocando as linhas de ônibus interestaduais por caronas de “estranhos”?

Afinal, as caronas são mais baratas e rápidas que os ônibus, os quais dão voltas e mais voltas, param até para o arbusto que se mexe na estrada e, ainda, sobem o preço das passagens periodicamente.
É por isso que essa economia tem dado certo, porque são as próprias pessoas que fazem acontecer. Elas ofertam, outras procuram, ambas negociam e todo mundo ganha. Menos as empresas que não se adaptarem.

Em 2013, uma pesquisa da Forbes revelou que a economia compartilhada movimentou mais de 3,5 bilhões de dólares em todo mundo, o que preocupa alguns especialistas e empresas, que classificam a prática como a “oficialização do bico”.
Mas não é bem assim, pois, o princípio da economia compartilhada não é destruir o capitalismo, mas sim, diminuir o consumismo desenfreado que a nossa era se encontra, fazendo com que as pessoas aproveitem mais seus espaços, seus produtos e ainda de quebra, cooperem com a sustentabilidade, estabilizando um equilíbrio entre a necessidade de consumir e de poupar o nosso planeta.

E a sua empresa?

Já está de olho nessa oportunidade de mercado ou está esperando ser engolida por esse novo jeito de se fazer negócios?

Deixe seu comentário.

Comentários

comentários

Eu ajudo empresas a aumentarem sua presença online, seja com o objetivo em vendas ou reconhecimento de marca. #SaiaDoOff